quinta-feira, 2 de junho de 2011

Salve Juiz de Fora!

                                                          
                                                          "Viva a Princesa de Minas
                                                           Viva a bela Juiz de Fora
                                                           Que caminha na vanguarda
                                                           Do progresso estrada a fora"




Em vista do sagrado Morro do Cristo, Juiz de Fora se assemelha ao um mar de prédios, casas, carros e intensa urbanização, que marca seu progresso histórico. Em 1820 era aberta em meio a vasta vegetação da nativa Mata Atlântica, um pequeno povoado, que daria acessibilidade ao Caminho Novo, caminho destinado ao transporte do ouro de Minas, explorado por Portugal.                                                                    

Quinze anos depois foi nomeada Juiz de Fora, nome o qual, gera até os dias atuais, grandes dúvidas sobre sua origem. Surge, em meio esta história, Henrique Guilherme Fernando Halfeld, personagem decisivo na história da cidade, que contribui decisivamente para seu desenvolvimento e evolução. 


Mais tarde em 1860, com a expanção do cultivo de café, Mariano Procópio Ferreira Lage criou a Estrada União e Indústria, que facilitava o transporte do genêro. O que também contribui para o avanço da cidade, e fixou milhares de imigrantes alemães, que vieram para a construção da estrada de Procópio.


No século XIX, com os benefícios trazidos pelo café, e com a imigração de europeus, a cidade teve um alto desenvolvimento urbano e industrial. A estrada de chão, pisoteada toda via por carroças e cavalos, dava lugar a um dinamismo de ruas e bondes, que constituíam um certo tráfico, que para a época, dava a Juiz de Fora ares de cidade moderna. A industrialização em áreas alimentares e têxtil, intitulou carinhosamente "Manchester Mineira", Juiz de Fora, pelo avanço e progresso.                                                                       


A cultura também já naqueles tempos, se destacava na vida de juizforanos. Através da expansão de teatros, jornais, imprensa, literatura, se via em nossa cidade dimensões artisticas pintadas por Di Cavalcanti e Portinari, que em Quatro Estações nos arremata um sentimento romântico até os dias atuais.
O painel Quatro Estações

Avenida Rio Branco, em 1903

Hoje, aspirando tempos modernos, Juiz de Fora já é considera a segunda cidade mineira, e aquela que é reconhecida nacionalmente pela sua boa qualidade de vida dos habitantes, que constituem 500 mil. Com uma excelente expectativa de vida e uma boa infra-estrutura, localiza-se perto de duas importantes capitais: Belo Horizonte e Rio de Janeiro.                                                                                                                

Dia 31 de maio de 2011, nossa cidade repleta de história, cultura e arte, completou vitalícia 161 anos! E em meio a tantos elementos, o artesanato juizforano é apreciado, com um toque de charme mineiro e delicadeza.

O Sobrado tem orgulho de ser mineiro, tem orgulho de fazer parte da Princesa de Minas, a bela Juiz de Fora,e mais ainda de contemplar com qualidade o mais rico artesanato!

                                                       
                                                   "Juiz de Fora! Juiz de Fora!
                                     Tu tão de dentro deste Brasil!
                                     Tão docemente provinciana...
                                     Primeiro sorriso de Minas Gerais!"
                                                (Manuel Bandeira)


Nenhum comentário:

Postar um comentário