segunda-feira, 25 de julho de 2011

A mostra da Maria Flor

Maria Flor, para quem ainda não conhece, é uma simpática boneca, maquiada como princesa, adornada com flores singelamente vermelhas, sempre com seu sorriso inconfundível. Há quatro anos atrás nascia uma inspiração, um retrato do Espaço Cultural Sobrado, uma boneca inexplicavelmente cativante. Essa boneca, (criada em representação aos mais famosos artesanatos de Minas, as sapecas namoradeiras) em um balanço, tomou espaço, e supriu as energias do Sobrado com toda sua simpatia. Primeiro foi criado seu nome, depois ela preparou uma canjica apetitosa, encantou até mesmo o governador Anastasia, e hoje cria ares em arte. Em pano, em cerâmica, em papel-machê, em pintura, em desenho, alinhando uma coleção de embasbacar os admiradores de arte. Não se pode recusar a entrada da menina-boneca, não se pode recusar a graça da namoradeira, colorindo as vidas e os lares. Com você, apenas uma amostra do que a boneca danada pode nos proporcionar:


O astro Maria Flor brilha no céu da arte


Maria Flor no preparo de sua canjica irresistível

A menina-boneca







   Visite a Mostra da Maria Flor e adquira peças de alto bom gosto:
   Todos os dias: de segunda a sexta: de 9h ás 19h
                          e nos sábados: de 10h às 14h

E para você que quer possuir essas peças exclusivas online, visite:
                        A loja virtual da Maria Flor!  

terça-feira, 7 de junho de 2011

O prestígio de Anastasia

Dia 4/06 de 2011, foi realizada com tamanho prestígio e bom gosto a Feijoada de César Romero, no La Rocca, em JF. O Sobrado teve a oportunidade de participar da Feijoada, realizando a decoração típica mineira, na qual encantou os convidados; principalmente pela presença de uma casal muito especial. A dupla de idosos artesanais que esbanjam realidade e surpresa ao olhar de seus admiradores, e também pela presença de Maria Flor, cativante e simpática, atraiu os olhares de toda a festa. Esta de alto nível e que contou com a presença de importantes figuras sociais e artísticas.

O governador de Minas Gerais, Antônio Anastasia, convidado de honra do evento,  mostrou toda sua simpatia e carisma e foi recebido com muito fervor. Após o discurso e já em sua saída da festa, se encantou por nossa boneca, a namoradeira Maria Flor que atraiu seus olhares. Anastasia se envolveu com a simplicidade e o dengo de nossa boneca, uma  criatura meiga, segundo suas próprias palavras. E nos presenteou com seu prestígio e admiração pelo nosso espaço e decoração. Obrigado governador, é uma honra para nós!

E desejamos que Maria Flor simbolize o artesanato de Juiz de Fora, traga boas recordações de Minas e a sua rica arte e proporcione momentos memoráveis !

Maria Flor e o governador Anastasia.
Créditos a fotografia: Aline Bastos

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Canjica da Maria Flor!

Da porta da cozinha, o aroma se espalha pelo ar, e atiça o olfato de possíveis netos, em um convite a degustação, de umas das mais tradicionais comidas mineiras. Misturada ao leite, e docemente adornada com canela e côco, lá está a canjica. Para muitos, apenas mais uma variedade da mais tradicional culinária. Para outros, um sabor de Minas, com memórias do passado, com gosto de avós, e de infância perdida, mais tão recordada.


Imagine agora, este alimento feito carinhosamente pelas delicadas e carinhosas mãos de nossa logomarca Maria Flor, a boneca, a namoradeira, e a ousada cozinheira. E ainda metida, nos convida a conhecer suas peças. A boneca toma forma em objetos artesanais de utensílio (como: pesos de porta, portas guardanapo, agendas, lápis, puxas saco, caixas para bijuteria, carteiras, vidros para biscoito, portas toalha, fronhas, capas para galão de água, chaveiros, sachês aromatizados para espantar insetos, entre muitos outros)  e também em objetos de decoração. Mais que luxo, que charme, que nobreza, levar para casa a mais simpática das bonecas! Que nesta encantadora noite nos apresentará seus animais domésticos, a pintadinha galinha Ceição e a meiga Florzinha, sua cadela de estimação.

E com feitos de solidariedade, Maria Flor beneficia o Instituto Bruno Vianna, com arrecadação de recursos em prol dos necessitados. Além disso, lançará em primeira mão seu site de compras on line! Cujo a tradução é bilingue, os preços promocionais e os produtos tradicionalmente de extrema qualidade e bom gosto. Para você que quer adquirir ilustres produtos com facilidade!  

A graciosa namoradeira Maria Flor
Maria Flor e sua cadela Florzinha
A galinha Ceição
Aí está a simpática boneca, preparando sua doce canjica para receber os amigos!
Por apenas cinco reais e 1kg de alimento não perecível, você também pode participar e ser solidário!

DIA: 10/06/2011
HORÁRIO: às 18h
LOCAL: Espaço Cultural Sobrado
               Rua Batista de Oliveira, 1226
               Contato: (32) 3218 - 7339

> Durante o evento estaremos lançando nosso site de vendas on line!
Clique aqui e confira:
                                   www.espacosobrado.com.br

> O Instituto Bruno Vianna, será beneficiado.

Você é nosso convidado especial! Faça parte dessa festa de solidariedade e entretenimento! 



quinta-feira, 2 de junho de 2011

Salve Juiz de Fora!

                                                          
                                                          "Viva a Princesa de Minas
                                                           Viva a bela Juiz de Fora
                                                           Que caminha na vanguarda
                                                           Do progresso estrada a fora"




Em vista do sagrado Morro do Cristo, Juiz de Fora se assemelha ao um mar de prédios, casas, carros e intensa urbanização, que marca seu progresso histórico. Em 1820 era aberta em meio a vasta vegetação da nativa Mata Atlântica, um pequeno povoado, que daria acessibilidade ao Caminho Novo, caminho destinado ao transporte do ouro de Minas, explorado por Portugal.                                                                    

Quinze anos depois foi nomeada Juiz de Fora, nome o qual, gera até os dias atuais, grandes dúvidas sobre sua origem. Surge, em meio esta história, Henrique Guilherme Fernando Halfeld, personagem decisivo na história da cidade, que contribui decisivamente para seu desenvolvimento e evolução. 


Mais tarde em 1860, com a expanção do cultivo de café, Mariano Procópio Ferreira Lage criou a Estrada União e Indústria, que facilitava o transporte do genêro. O que também contribui para o avanço da cidade, e fixou milhares de imigrantes alemães, que vieram para a construção da estrada de Procópio.


No século XIX, com os benefícios trazidos pelo café, e com a imigração de europeus, a cidade teve um alto desenvolvimento urbano e industrial. A estrada de chão, pisoteada toda via por carroças e cavalos, dava lugar a um dinamismo de ruas e bondes, que constituíam um certo tráfico, que para a época, dava a Juiz de Fora ares de cidade moderna. A industrialização em áreas alimentares e têxtil, intitulou carinhosamente "Manchester Mineira", Juiz de Fora, pelo avanço e progresso.                                                                       


A cultura também já naqueles tempos, se destacava na vida de juizforanos. Através da expansão de teatros, jornais, imprensa, literatura, se via em nossa cidade dimensões artisticas pintadas por Di Cavalcanti e Portinari, que em Quatro Estações nos arremata um sentimento romântico até os dias atuais.
O painel Quatro Estações

Avenida Rio Branco, em 1903

Hoje, aspirando tempos modernos, Juiz de Fora já é considera a segunda cidade mineira, e aquela que é reconhecida nacionalmente pela sua boa qualidade de vida dos habitantes, que constituem 500 mil. Com uma excelente expectativa de vida e uma boa infra-estrutura, localiza-se perto de duas importantes capitais: Belo Horizonte e Rio de Janeiro.                                                                                                                

Dia 31 de maio de 2011, nossa cidade repleta de história, cultura e arte, completou vitalícia 161 anos! E em meio a tantos elementos, o artesanato juizforano é apreciado, com um toque de charme mineiro e delicadeza.

O Sobrado tem orgulho de ser mineiro, tem orgulho de fazer parte da Princesa de Minas, a bela Juiz de Fora,e mais ainda de contemplar com qualidade o mais rico artesanato!

                                                       
                                                   "Juiz de Fora! Juiz de Fora!
                                     Tu tão de dentro deste Brasil!
                                     Tão docemente provinciana...
                                     Primeiro sorriso de Minas Gerais!"
                                                (Manuel Bandeira)


sábado, 28 de maio de 2011

Feijoada Mineira

O Espaço Cultural Sobrado terá a honra de participar da Feijoada de César Romero 2011, de maneira muito especial. A pedido da produção do evento, o Sobrado realizará a decoração em parceria com o produtor Dodô Souza. Com tamanha qualidade e alto estilo, e com um toque tipicamente mineiro, adornaremos o local, com nossas exclusivas e mineirissimas obras de arte.
Em sua 19º edição, o tema será "Mineiridade", onde destaca a arte de ser mineiro. A Feijoada em toda sua recente tradição, está entre os eventos mais prestigiados da cidade, incluído inclusive por Lei Municipal, na programação oficial do aniversário de Juiz de Fora, que completa 161 anos.

Nossa proposta é levar ao LaRocca a alma mineira do Sobrado.

Local: LaRocca (Avenida Deusdedith Salgado, 2400)
Data: 4/Junho (sábado)

Venha! Você não pode ficar fora dessa!

domingo, 10 de abril de 2011

Aleijadinho, um artista heróico

Esta é a unica imagem encontrada que retrata o mestre Aleijadinho.

Antônio Francisco Lisboa, eternizado como Mestre Aleijadinho. Entalhador, escultor, arquiteto e para muitos, artista artesão, que durante o antigo Brasil de Portugal encantou, e até hoje encanta os olhares de milhares de pessoas, ao se penetrar e encantar com os detalhes divinos das obras de um homem que criou arte e superou desafios.

Filho mestiço da negra escrava Isabel com um talentoso arquiteto português, e sobrinho de um entalhador,  seu talento pode se justificar na sua hereditariedade e no contato artístico que recebeu desde infância, mas é irrecusável negar todo seu dom e inspiração.

Viveu na época do enriquecimento de Vila Rica, atual Ouro Preto, com o descobrimento e rota de todo o ouro explorado. E através da arte barroca vinda de Portugal e com um toque de Rococó, Aleijadinho encheu nossas igrejas mineiras de uma infinidade de detalhes surpreendentes, e ouro, é claro.

Sua vida profissional deixou marcas em sua obra, e assim foi bem explorada pelos historiadores. Porém pouco se sabe de sua vida intima. Apaixonou-se pela mulata Narcisa e com ela teve seu único filho. Com suas obras não enriqueceu-se, pois como diz a lenda, era desleixado e vivia sendo roubado. Mas ao mesmo tempo se mostrava solidário, doando parte do que ganhava aos mais pobres. Tinha somente três escravos: Maurício, o qual dividia seus lucros, pois era seu principal ajudante; Agostinho, auxiliar de entalhes e Januário, o guiador de seu burro.

Reprodução da revista Kósmos, de uma tela posteriormente desaparecida .
Retrata uma cena na vida do artista em um momento de criação. 

Quando completa 40 anos de idade, essa história envolta de mitos e lendas, se torna triste e ao mesmo tempo surpreendente. Aleijadinho sofre uma doença grave e degenerativa e assim é apelidado. Aos poucos, seu corpo se degenera e deforma. Perde continuamente todos os dedos da mão, em exceção o polegar e o indicador. Sua perna perde todos os movimentos. E para de se locomover, o mestre se arrastava de joelhos e os protegia com dispositivos de couro. Além disso sua face também foi se modificando e tornando a imagem de Aleijadinho monstruosa. Usava roupas longas para esconder suas deformações e um chapéu longo para ocultar sua cara grotesca. Trabalhava a noite e envolto de toldos, assim sua presença não seria notada. Produzia suas obras, amarrando suas ferramentas básicas de esculpir no punho. Apesar do sucesso profissional como artista, Aleijadinho se revoltava com sua própria aparência, assim se condenando. Mas a motivação pela arte, a vontade de produzir e criar, levava o mulato além de seus limites. Nos seus últimos anos de vida, em repouso em cama, Aleijadinho implora a Cristo sua morte, de tão forte dor que o aterrorizava, morrendo heroicamente.

Assim morre um artista, um mestre, um exemplo de superação, considerado pela história, o maior artista barroco americano.  Para nós uma superação pela arte, que ao passar de anos e anos deixa seu legado histórico de embasbacar. Podemos afirmar com esse belo exemplo mineiro que nada é impossível, quando se tem vontade.

E o profeta de Congonhas guarda a casa de Deus, e os olhos do mestre zela suas obras no límpido horizonte...















O Sobrado, admira Aleijadinho como artista mineiro e apresenta em seu acervo obras relacionadas ao mestre.

domingo, 3 de abril de 2011

Oferta Imperdível



O Espaço Cultural Sobrado em parceria com a Tribo Mania, estão realizando uma promoção IMPERDÍVEL!

Um mês do curso de pintura em madeira, 
de R$ 70,00 por apenas R$14,00!

A promoção é por tempo limitado! Então corra!
Para mais informações visite:
www.tribomania.com.br  


A promoção está encerrada, nós agradecemos a todos vocês que prestigiaram nosso trabalho!